Jabuticabas

Jabuticabas

Por mais de três semanas o pé de jabuticaba permaneceu dentro do vaso, no final da escada de acesso da casa. Tinha pouco mais de um metro e meio de altura, mas já estava carregado, as frutas pretinhas, pretinhas. Todas as vezes que eu passava em frente me perguntava por que é que ninguém havia colhido as frutas.

Eu estava de folga numa sexta de muito sol e decidi que iria comê-las à beira da piscina. Fui até a cozinha e peguei uma tigela de vidro e comecei a tarefa de depenar a jabuticabeira. Lavei as frutas, escorri e fui para a beira da piscina. Acho que colhi mais de um quilo de jabuticaba e comi tudo, sozinho.

Na sexta à noite soube que haveria na casa uma cerimônia budista em homenagem a um querido amigo que havia falecido semanas antes por conta de um infarto. Suas cinzas chegariam no domingo e seriam enterradas na parte dos fundos do terreno. O espaço já havia sido preparado e havia ali um buraco com pouco mais de 30 centímetros de diâmetro e 40 de profundidade.

O domingo chegou e, com ele, a viúva que trazia consigo as cinzas do falecido marido. Após rezarmos alguns mantras, nossa amiga pegou a urna com as cinzas e todos fomos em direção ao buraco onde ela seria enterrada. Se antes o tamanho do buraco para mim era exagerado agora, ao ver o tamanho do recipiente que as carregava, fazia todo sentido. Colocariam tudo ali.

Fizemos um círculo em volta do local e percebi a “presença” do pé de jabuticaba ali, bem ao lado do buraco. Foi então que o tamanho do buraco fez ainda mais sentido, pois o recipiente com as cinzas e a árvore seriam enterrados juntos. Como é que isso não havia passado pela minha cabeça antes?

Após todos se acomodarem no local, o dono da casa, e amigo do falecido, improvisou um discurso. Com os olhos cheios de lágrimas ele começou dizendo:

– Vejam só, além de ser uma homenagem ao nosso amigo, esta jabuticabeira também teve um propósito ainda mais nobre! Até alguns dias ela estava carregada. Então, vieram os passarinhos e comeram todos os frutos!

Naquela hora arregalei meus olhos e pensei: “Deus, mal posso esperar a próxima safra! ”

Se você tem histórias para contar, que tal transformá-las em um livro? Nós, da Memórias & Histórias podemos ajudar.

Se você gostou, não se esqueça de curtir e compartilhar!



2 thoughts on “Jabuticabas

  1. Sandra Jericó disse:

    Adorei..parabéns pela historia. .jabuticabas sempre me lembram férias na casa da avó. ..

    1. regisla disse:

      Delícia mesmo, não é Sandra? Meus avós moravam em Minas Gerais, na cidade de Caratinga. Sempre ia para lá nas férias escolares. Ai que saudades!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *